Vida de Comissária | Entrevista com Ana Carolina

 Desta vez, a Ana Carolina é a nossa convidada que compartilha histórias e curiosidades sobre a vida de Comissária !

 

Nome | Ana Carolina

Instagram | @sz.carol

Estado Civil | Solteira

Há quanto tempo trabalha como comissária?
2 anos

Cia aérea que trabalha atualmente?
Emirates Airlines

Opera em destino Nacional e/ou Internacional ?
Internacional

Quando decidiu se tornar comissária?
Literalmente do dia pra noite, há três anos.

Sofreu influência de alguém?
Não. Nunca foi sonho de criança como de muitos. Acordei um dia e disse ‘quero ser comissária’. Literalmente assim. Sem mais, nem menos, decidi pelo curso de comissária de voo. Era uma quarta-feira, lembro-me bem. Na sexta fiz a matrícula e no sábado comecei. Nove longos meses.

Em média, quanto tempo passa longe de casa?
Não moro no Brasil. A minha base fica à mais de 12.000 km de São Paulo, o quê dificulta visitas frequentes. Em dois anos, fui pra casa quatro vezes de férias. Dez dias cada. E acredite, não é suficiente. São 14h de voo. 14. Perco dois dias dos dez, só viajando.
Operei o voo para São Paulo três vezes também. O quê me deu 24 horinhas pra matar a saudade da família.

Como é a escala de trabalho de um comissário?
Cada cia opera de um jeito diferente. E dentro da minha, cada caso é um caso. Até o dia 26 recebemos toda a escala do próximo mês. Dias de folga e quantidade de horas. Tiveram meses em que voei 80 horas e meses que voei 120. Tudo pode mudar de acordo com a necessidade da empresa. Hoje mesmo, enquanto respondia essas perguntas já que estava em stand by no aeroporto, fui chamada para operar um voo para Shanghai, o que fez com que Nova York que eu teria no dia seguinte voasse pra longe de mim. (Tudo bem, já fui outras milhōes de vezes!)

Tem direito a passagem aérea gratuita?
O quê é gratuito nessa vida? Temos desconto! Mas ficamos em stand by. Pra conseguir entrar no voo é preciso ter assentos disponíveis e nada de restrição para cargo.

Quanto tempo a tripulação do mesmo avião convive junta? A rotatividade da tripulação é alta? É sempre uma surpresa ou costuma saber quem vai estar no seu voo?
Nossos layovers (período de descanso que temos nos destinos) variam de 24h à 48h. Mas depois que acabamos o voo e tiramos o uniforme é geralmente cada um por si. Ou nos dividimos em grupinhos para dar uma andada pelas ruas da cidade… É gente da mesma nacionalidade junta, ou pessoal da econômica com pessoal da econômica, ou é tudo misturado mesmo. Cada voo é um voo. Cada tripulação é uma tripulação. São pessoas do mundo todo. Cento e tantas nacionalidades.

.
Não é surpresa saber quem vai estar no seu voo. Na nossa escala temos o nome de toda a tripulação, com fotinho e tudo! E a rotatividade não é alta… É altíssima. Já voei com algumas pessoas mais de uma vez. Mas isso é raro. Geralmente, depois do voo você nunca mais vê os mesmos rostinhos de novo. São mais de 18.000 comissários… Nem preciso dizer mais nada.

Destino dos sonhos que já esteve ou sonha em conhecer?
Já fui pra todo canto. E tenho meus lugares favoritos, mas diria que cada um tem seu lado apaixonante. Sou fã de ilhas. Mas, acho que até hoje, o lugar que mais me maravilhou foi Beijing. Eu nunca pensei que um dia escalaria toda a Muralha da China. Sensação inexplicável.

Já passou algum perrengue durante o voo ou em visita a outra cidade/país?
Eu sempre me perco. Sim, sou péssima com mapas. Já passei horas procurando uma alma que me entendesse, já esqueci o nome do hotel que estava hospedada, já fui parar em outro canto da cidade… Sou a pior pessoa pra andar sozinha. Mas me arrisco toda vez.

Uma cantada inteligente e/ou péssima que já recebeu?
Inteligente? Nenhuma. Pra falar a verdade, toda vez é a mesma coisa. Temos um broche no colete de serviço que usamos com a bandeira do país de cada um e esse é a desculpa de todos pra te cantar.

De passageiro: ‘Brasil?’ ‘Ronaaaaldo’ ‘Eu amo o Brasil’… E aí você sorri. E ele continua a falar sobre o quanto ele ama o futebol brasileiro, e o Carnaval e samba, mesmo se nunca tenha ido ao Brasil até chegar na parte do ‘O quê você vai fazer hoje a noite?’.

De tripulante com ex-namorada brasileira: ‘Oi. Tudo bem, “amiga” (ou qualquer outro adjetivo que ele saiba já que a EX o ensinou)?. Tenha em mente que estamos falando de pessoas de todo o mundo, portanto usamos o Inglês para nos comunicarmos. Você sorri e responde a pergunta. Aí ele começa a dizer todas as palavras do universo que ele sabe em Português para tentar te impressionar. E ele continua até você perguntar ‘Quem te ensinou isso?’. Acredite, ele vai dizer com o peito estufado de que sua ex-namorada que também é brasileira o ensinou. Ah, que coincidência, não? E o papinho vai longe até ele finalmente dizer ‘Eu amo a língua-portuguesa. Queria tanto aprender.’ Sim, essa é a cena que ele criou só pra dizer que quer sair com você algumas vezes.

De tripulante que não tem ex-namorada brasileira: Praticamente a mesma coisa. Sim, esse também vai saber alguma palavra em Português pra puxar assunto com você. Nem que seja um palavrão que ele solta na esperança de você achar engraçado. E o final da história você já conhece. Esse também é louco para aprender Português!

Situação constrangedora/inusitada durante o voo?
Se te contasse, teria que te matar. (risos)

Pergunta ou pedido estranho de um passageiro que já ouviu?
É tanta coisa que poderia fazer uma lista.
Mas, me pedirem vodka com suco de laranja e leite foi algo que me surpreendeu. Tive que perguntar se ele iria mesmo tomar aquilo. A reaposta foi “Você devia provar.”. Não, obrigada.

Que tipo ou atitude de passageiro mais te irrita?
Falta de respeito. Eu entendo que não faz parte do meu trabalho educar ninguém. E sim, eu respeito as diferenças e sei que não é fácil lidar com nacionalidades diferentes. Eu levo tudo isso em consideração. Já até acostumei não ouvir um “Por favor” ou “Obrigada(o)” frequentemente. Mas falta de respeito me indigna sim. Um exemplo bobo: se eu, para te servir, entreguei a bandeja nas suas mãos, o mínimo que espero é não recolher a mesma do chão. Mas…

Alguma história de um passageiro que te marcou?
Várias. Mas vou contar de um que guardo no coração. Seu nome é Omar. Um garoto de 8 anos com síndtome de down. Durante o serviço, notei que ele me olhava muito e que falava sobre mim com seus pais. Quando finalmente chegou a vez de serví-los sua mãe me disse que ele achava que eu era a Princesa Ana da animação Frozen. Eu ri. Disse que sabia cantar e que depois cantaria Let it go para ele. Mas é claro que não sei cantar.

Depois do serviço, retornei ao seu assento e pedi para que fosse comigo para a galley, onde, usando a máquina Polaroid que temos a bordo, tiramos várias fotos juntos para que ele pudesse ter uma recordação de quem, na cabeça dele era uma princesa. Sua reação foi apaixonante. Ele me abraçou e disse “Meus irmãos vão morrer de inveja”. Ele não quis voltar pro seu assento tão cedo. Me perguntou tudo que teve vontade e ensinei tudo que ele queria saber. E ele me ajudou a entender o quanto detalhes podem fazer toda diferença no seu dia. Ele fez o meu!

Já aconteceu de ganhar presente de passageiro?
Não. Ainda estou esperando por um. (risos)

Os passageiros possuem apelidos entre a tripulação? 
Se possuem, ainda desconheço.

Qual o maior desafio de preparar a bagagem de um tripulante? Quais são os itens básicos e obrigatórios que o comissário deve levar?
Checar a previsão do tempo é fundamental. Você precisa se programar. Saber o horário que chegará no hotel e o horário que vai ir embora é fundamental pra saber o quê jogar na mala. Levamos em consideração principalmente o tipo de programação que faremos em determinado lugar para então fazermos a mala de maneira inteligente. Fundamental pra mim? Roupa de academia. Obrigatórios? Colete de serviço, sapato para usar na cabine, pijamas (sim, pijamas) e luvas.

O que não pode faltar na bagagem de um tripulante? Onde lavam as roupas no destino que voaram?
Uma camisa limpa, por favor. (risos)
Todos os hotéis oferecem este serviço. Lavar roupa não é um problema, já que temos desconto nisso também.

Já encontrou algum objeto estranho de passageiro no chão da aeronave?
Passageiros deixam tudo na aeronave. Já achei até cueca usada.

Dica pra quem pretende ser tripulante?
Tenha em mente de que é um trabalho, como outro qualquer. Não, não é fácil. Mas sim, é gratificante.

Alguma curiosidade que queira compartilhar sobre a profissão que os passageiros não imaginam?
Já se imaginou colocando o alarme para despertar às 2 da manhã?

Já se imaginou trocando a noite pelo dia e enfrentando diferentes fusos horários e clima em cada destino que operar?

Já se imaginou ficando 24, 26, 28 ou 30 horas acordado, pois não conseguiu dormir antes de um voo de 14h e menos ainda no tempo de descanso que eles te dão em setores longos e quando finalmente chegou ao hotel tudo que você mais queria era conhecer um pouco da cidade?

Já se imaginou sem feriados?

Já se imaginou perdendo a noção de dias da semana?

Já se imaginou lidando com um mundo totalmente diferente do seu?

Se a resposta é sim, você está no caminho certo! Um caminho maravilhoso, mas que não é coberto apenas por flores.

.

Obrigado Ana Carolina pela participação!

About The Author

SealBag | Criado por pessoas que viajam!

Related posts

1 Comment

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *